BAGÉ WEATHER
Debate

Representante do comércio e leitores opinam sobre retomada do horário de verão

Foto: Niela Bittencourt
Internautas defenderam e criticaram ao elencar prós e contras

O governo federal estuda a possibilidade de retomar o horário de verão, extinto em 2019 por meio de decreto do presidente Jair Bolsonaro. O horário volta a ser considerado diante da escassez hídrica. Muitas entidades têm defendido tal retomada. Mas o governo, por meio do Ministério de Minas e Energia, afirmou não acreditar que a medida possa ser determinante para enfrentar a crise. A reportagem questionou os leitores, que acompanham o Folha do Sul na internet, e também o presidente da Associação Comercial e Industrial de Bagé, Ricardo Souza, para abordar o quanto isso pode impactar o setor.

O presidente da Aciba manifestou que não há um consenso nem mesmo dentro da entidade em relação a isso. Porém, afirmou acreditar que teria muito pouco impacto. "A gente sabe que o impacto que pode ocorrer, pelo retorno do horário de verão, é mais naquelas empresas como restaurantes e pizzarias. O impacto seria maior porque, logicamente, no final do dia, ainda com a luz solar, vai existir uma maior movimentação de consumidores", ponderou.

Ele mencionou que foram justamente essas empresas que tiveram um grande prejuízo nesse período de pandemia. "Uma das classes mais afetadas. Neste caso, teria uma lucratividade, uma movimentação maior de consumidores", pontuou. Mas enfatizou que, em relação à economia de energia, não há consenso nem mesmo entre os especialistas. "Lógico que, hoje, com a crise híbrica que a gente vive, toda a economia se faz necessária, mas o impacto seria muito muito pequeno", opinou, ao acrescentar que, para os associados da Aciba, nesse sentido, a retomada não representaria uma diferença substancial. "O maior benefício seria para as empresas, bares, restaurantes e pizzarias. Essas sim, com a maior movimentação de consumidores, teriam benefícios", sustentou.

Mas, afinal, o que pensam os bageenses? A leitora Maiara Lafortuna disse amar o horário de verão. "Dá para sair do serviço e pegar um pouco do sol ainda", argumentou. Fato é que a volta do horário não é nenhuma unanimidade. Mas, para a leitora Jane Trovo, não se trata de um gosto pessoal. "Não é nem nunca foi questão de gostar ou não, é questão de necessidade", argumentou. Já Leila Cougo opinou: "Para mim, que levanto às 5h, é horrível. Teria que levantar às 4h, e a gente não consegue dormir mais cedo por conta do calor. É muito ruim".

A leitora Adriana Leal falou que tudo é uma questão de hábito. "Sou habituada ao horário de inverno, mas se o horário de verão for por uma boa causa, que volte", disse, ao ponderar, porém, que acredita que o consumo de energia, com o horário "novo", na verdade, aumenta. Há quem diga que o horário de verão nunca deveria ter acabado e que isso foi um erro do presidente. Mas há quem seja enfático ao torcer para que ele nunca mais seja uma realidade: "Não economiza nada de luz. Ao contrário, todo mundo volta uma hora mais cedo para casa para tomar banho, liga o ar, a TV, tudo uma hora antes. Sendo assim, gastam mais luz até dormir", foi o que defendeu a leitora Vera Lucia Rodrigues. 

Imagens

ULTIMAS NOTÍCIAS

Missão

Ser o veículo de integração da comunidade, contribuindo para o seu desenvolvimento com informação precisa, responsável e imparcial.

+55 (53) 3242-1020 | R Ismael Soares 263 -
Centro | CEP: 96400-390 | BAGÉ | RS | BRASIL

jornalfolhadosul@jornalfolhadosul.com.br