BAGÉ WEATHER
Estratégias

Estado reage a suba de casos de varíola

Foto: Reprodução/FS
Principal forma de contágio é por contato

Diante do aumento de casos de varíola dos macacos no Estado (já são 12 confirmados), a Secretaria estadual da Saúde prepara estratégias para o enfrentamento da doença, com foco em vigilância em Saúde e prevenção, segundo divulgação do Piratini. A pasta destacou "a necessidade de agregar diversos segmentos da sociedade civil para acompanhar a evolução da varíola dos macacos no mundo, preparar a rede de assistência à Saúde e sensibilizar os municípios ao diagnóstico da doença".


A intenção é que sejam tomadas atitudes semelhantes ao enfrentamento à covid-19, desde o início do surgimento da doença. "A ideia é trabalhar com o Centro de Operações de Emergência já constituído para a covid-19, mas buscando novos parceiros externos que tenham relação com a monkeypox, como, por exemplo, sociedades de dermatologia. Dentro do Centro Estadual de Vigilância em Saúde e do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, este trabalho de monitoramento das doenças é permanente, mesmo antes de existir registro da circulação no Estado", detalhou a divulgação da pasta.


O coordenador da Vigilância em Saúde de Bagé, Geraldo Gomes, enfatizou que o município está atento e que diante de qualquer suspeita haverá rápida investigação para confirmação ou não. Ele ponderou que ainda não houve qualquer suspeita e que é claro que há preocupação e necessidade de se manter alerta, mas que não há motivo para pânico muito porque a transmissão é bastante diferente da covid-19, por exemplo.  


Vale mencionar que ainda não há casos próximos aos municípios da região. Dos 12 já confirmados em território gaúcho, sete foram confirmados pela Secretaria da Saúde nos últimos sete dias. Entre o total, são sete homens e cinco mulheres. Há cinco casos confirmados na capital Porto Alegre (um deles residente do exterior em viagem à cidade), dois em Caxias do Sul, um em Canoas, um em Garibaldi, um em Igrejinha, um em Uruguaiana e um em Viamão.


A doença

A varíola dos macacos é uma doença causada por um vírus. Foi diagnosticada e identificada na década de 1960 primeiro em macacos, por isso ficou conhecida assim. Essa doença tem caráter endêmico em alguns países da África Central e da África Ocidental. Ao longo da história da saúde pública mundial, houve surtos em alguns países, como, por exemplo, nos Estados Unidos, mas com poucos casos. Porém, neste ano, foi identificado o primeiro grande surto em países não endêmicos, ou seja, países que não são da África Central e da África Ocidental, com circulação sustentada do vírus. 


A principal forma de transmissão da varíola dos macacos é por meio do contato pele com pele, secreções ou por objetos pessoais do paciente infectado. O período de incubação (tempo entre o contágio e o aparecimento de sintomas) é geralmente de seis a 13 dias, mas pode chegar a até 21. Inicialmente, a pessoa apresenta febre, dor de cabeça intensa, dor nas costas e inchaço nos linfonodos (pescoço, axila ou virilha). Lesões na pele costumam surgir mais frequentemente na face e extremidades.  

Imagens

ULTIMAS NOTÍCIAS

Missão

Ser o veículo de integração da comunidade, contribuindo para o seu desenvolvimento com informação precisa, responsável e imparcial.

+55 (53) 3242-1020 | R Ismael Soares 263 -
Centro | CEP: 96400-390 | BAGÉ | RS | BRASIL

jornalfolhadosul@jornalfolhadosul.com.br