BAGÉ WEATHER
João Eichbaum

Se conhecessem o latim, eles não se achariam deuses

A cultura e o gosto pela pesquisa alimentam um modo  sutil e  inteligente de criticar o sistema e as pessoas que, a serviço dele, se têm como altamente cultas.
Uma postagem no Facebook, partindo de quem conhece latim e não se poupa a um trabalho de pesquisa, debulha a etimologia de duas palavras do vernáculo português: maestro e ministro. A postagem serve como inspiração e estimula, a quem gosta de latim, a uma análise mais minuciosa dos dois substantivos.
Diz o texto da postagem: o vocábulo "maestro" vem do latim "magister" e este, por sua vez, do advérbio "magis", que significa "mais" ou "mais que".  E explicita: na antiga Roma "magister" era o que estava acima dos restantes, pelos seus conhecimentos e habilitações. Para ilustrar, o autor do texto traz como exemplo o "magister equitum", que designava o chefe da cavalaria, e o "magister militum" militar com funções de comando. Pode-se acrescentar ainda "magister peditum", que era o comandante supremo da infantaria.
Foi bem lembrado o advérbio "magis" como composto etimológico da palavra "magister". Mas, esse vocábulo, do ponto de vista morfológico, não se presta como raiz, porque ele provém da verdadeira raiz, que é "mag". De "mag" deriva outra palavra de sentido muito significativo, que é o adjetivo "magnus".
A partir disso, acrescente-se que do vocábulo "magister" também se origina a palavra "mestre", que nada mais é do que um derivado de "maestro". "Magister chori canentium", assim designado o diretor dos cantores, outra coisa não é senão o "maestro", aquele que está acima do grupo porque sabe tudo de música.
Tanto o mestre, quanto o maestro, são pessoas que, pelos seus conhecimentos e capacidades, se sobrepõem a certos grupos. Daí advém a "ars magistra", expressão usada por Vigílio para exprimir perfeita habilidade, destreza consumada. Mestre, como se sabe, é sinônimo de professor, mas também é usado como sinônimo de maestro. Tanto se pode denominar "mestre", como "maestro", o regente de uma banda.
O excelente raciocínio do texto postado no Facebook é levado a fazer comparações. Então ele realça a diferença entre "magister" e "minister" também a partir dos advérbios. Dessa vez, é o advérbio "minus", que tem o sentido contrário de "magis". "Minus" significa "menos". O referido texto segue, trazendo os seguintes exemplos: no sistema social da antiga Roma, "minister" era o servente, o subordinado, "que apenas tinha habilidades ou era jeitoso".
Realmente. Virgílio emprega "minister" para designar o escravo, o servente, o doméstico. Horácio denomina "minister" ao escanção, aquele a quem incumbia a tarefa de servir vinho. O epigramista Martialis usa o termo "minister" como designativo de copeiro, referindo-se a Ganymedes o copeiro de Júpiter. Já o historiador Titus Livius, emprega "minister" no pior sentido: instigador, incitador.
Essas péssimas qualificações de "minister" usadas por Titus Livius, atreladas às demais, reforçam a conclusão da postagem no Facebook, revelando uma realidade que vivemos: "como se vê, o latim explica a razão por que qualquer imbecil pode ser ministro... mas não maestro".

ULTIMAS NOTÍCIAS

Missão

Ser o veículo de integração da comunidade, contribuindo para o seu desenvolvimento com informação precisa, responsável e imparcial.

+55 (53) 3242-1020 | R Ismael Soares 263 -
Centro | CEP: 96400-390 | BAGÉ | RS | BRASIL

jornalfolhadosul@jornalfolhadosul.com.br